Blog do Ailton Amélio

Busca

31/10/2016

Vale a pena usar aplicativos para iniciar relacionamentos amorosos?

Neste artigo apresentarei argumentos a favor do esforço para iniciar ou para se expor a situações e acontecimentos na área amorosa que, posteriormente, poderão se tornar intrinsecamente motivadores.

Exemplos: vale a pena fazer esforço para encontrar um bom parceiro amoroso; vale a pena fazer esforço para criar um bom relacionamento amoroso; vale a pena fazer esforço para reverter um clima desagradável que foi criado com a pessoa amada.

Da mesma forma que comparecer sem vontade a um evento que, em seguida, se torna muito agradável, o esforço para encontrar um bom parceiro amoroso, para criar um bom relacionamento amoroso e para reverter um clima desagradável poderá trazer grandes recompensas que compensam plenamente o esforço inicial.

Esforço para começar a usar aplicativos para iniciar relacionamentos amorosos

Vamos examinar agora, mais detalhadamente, como o uso de aplicativos para iniciar relacionamentos amorosos pode ser desagradável para certas pessoas, mas também pode ser um caminho eficiente para encontrar ótimos parceiros.

A necessidade de esforço psicológico para realizar uma tarefa indica que a motivação intrínseca para realizá-la é menor do que a motivação para não realizá-la. O esforço psicológico indica que a tarefa só será realizada para ganhar recompensas positivas extrínsecas à tarefa ou para fugir ou evitar consequências negativas que ocorreriam caso ela não fosse realizada.

Todo dia fazemos vários tipos de esforço para realizar tarefas: levantamos da cama, mesmo quando estamos com sono; fazemos ginástica, mesmo sem vontade; enfrentamos o trânsito desagradável; executamos tarefas chatas…

Esforço para usar aplicativos para iniciar relacionamentos amorosos

Marly estava sem namorado há bastante tempo. Ela não via nenhuma possibilidade de encontrar parceiros nos locais que frequentava no dia a dia: no trabalho, quase todo mundo da faixa etária e nível socioeconômico que a interessava já estava comprometido e os poucos que restavam não a atraiam.

Um caminho para encontrar um bom pretendente amoroso seria usar um aplicativo que tinha essa finalidade. Ela, no entanto, achava que esse tipo de recurso tinha baixíssima probabilidade de sucesso. Além disso, ela estava desmotivada. Já havia tentado várias vezes esse tipo de recurso e só encontrou pessoas pouco atraentes, problemáticas ou que só queriam sexo.

Agora, no entanto, ela se convenceu de que coisas de baixa probabilidade acontecem quando são tentadas a quantidade suficiente de vezes.  Por exemplo, se comprasse um dos cem bilhetes de uma rifa, a probabilidade de ganhar o prêmio seria 1%. Se ela comprasse sempre, seria esperado que ganhasse, aproximadamente, uma vez em cada cem bilhetes comprados. Uma forma de aumentar as chances de ganhar mais frequentemente seria comprar mais bilhetes de cada rifa ou passar a comprar bilhetes de varias rifas. O raciocínio é válido para todas as situações semelhantes, inclusive para a procura de parceiros amorosos.

Persistir mesmo sem vontade

Era compreensível e natural que tivesse Marly perdido a vontade de fazer usos de aplicativos para iniciar relacionamentos amorosos. Ela sabia, no entanto, que deveria tentar mesmo sem vontade. Faria disso uma tarefa. Sabia que, se persistisse, tinha muitas chances de encontrar alguém atraente e compatível com ela.

Comprometeu-se a gastar uma hora por dia no aplicativo.

Por que pode tão desagradável fazer esforços na área amorosa?

Se pensarmos superficialmente na energia e no tempo necessários para usar esses aplicativos, ficaremos sem entender por que certas pessoas acham tão desagradável usá-los: alguns minutos, ou no máximo uma hora, por dia já melhoram muito as probabilidades de sucesso nesta área.

Não é a energia, o tempo, o trabalho que dá a conotação tão negativa para o uso desses aplicativos.

É a dor das rejeições, dos parceiros que somem de repente e de ter que fazer esforço para achar alguém, do esforço para não cometer erros; ter que lidar com a frustração daqueles que simplesmente somem e de ter que procurar alguém que são as principais causas do sofrimento e do rebaixamento da autoestima.

Quando é necessário fazer esforço para colocar-se em situações e começar atividades motivadoras

Todo mundo já teve experiências semelhantes às que vou descrever:

Estamos sem motivação suficiente para ir até um evento social. No entanto, como seria inconveniente não comparecer, fazemos esforço para ir até lá. Tempo depois de chegar ao local, começa a aparecer uma grande motivação intrínseca para participar do que está acontecendo lá: começamos a gostar muito e a nos divertir. Ai, pensamos: “Puxa, não estava com vontade de vir. Ainda bem que me esforcei e vim. Valeu a pena! Está muito bom!”.

Fazer esforço para expor-se a uma situação ou acontecimento, que depois vai se tornando intrinsicamente motivador, é muito comum. Acontece várias vezes ao dia: começamos várias atividades sem nenhum entusiasmo, mas depois podemos nos envolver com elas!

Convenientes e inconvenientes do uso de aplicativos para iniciar relacionamentos amorosos

Na casa dos vinte anos de idade, quase ninguém ainda não está seriamente comprometido na área amorosa. À medida que a idade vai se aproximando dos trinta anos, cerca de 50% das pessoas aqui do Brasil estão casadas. Por volta dos trinta e cinco anos, a maior parte das pessoas está casada.

Por esse motivo, aqueles que estão na casa dos vinte anos têm muito mais facilidade para encontrar parceiros amorosos do que aqueles que já passaram dos trinta anos. Para os que estão na casa dos vinte anos, qualquer lugar que estejam (escola, trabalho, festas, etc.) sempre há possíveis parceiros disponíveis e compatíveis. Por isso, não há necessidade do usar aplicativos para iniciar relacionamentos. Os parceiros são facilmente encontráveis nos locais e atividades frequentados. O uso de aplicativos é optativo, portanto. O uso é mais motivado facilidade e prazer dos usuários.

Depois dessa época áurea, vai ficando mais difícil encontrar parceiros compatíveis e disponíveis nos locais e atividades frequentados. Depois dessa época, os aplicativos para iniciar relacionamentos amorosos vão ficando cada vez mais úteis e necessários.

Inconvenientes do uso de aplicativos para iniciar relacionamentos amorosos

Muita gente torce o nariz quando considera o uso de aplicativos para iniciar relacionamentos amorosos. Vários motivos dessa resistência são reais: certas pessoas sentem-se como estivessem em um “mercado de carne”; existe muita gente desonesta (comprometidos, bandidos, etc.) nesses aplicativos; as fotos e declarações podem não ser verdadeiras ou atuais; muitos dos possíveis parceiros só querem sexo (reclamação das mulheres), as relações que estão começando a se formar nesses aplicativos são muito descartáveis (“você estava começando a se envolver com uma pessoa e ela some de repente”).

Vantagens do uso de aplicativos para iniciar relacionamentos amorosos

Sim, realmente esses aplicativos apresentam desvantagens e problemas. No entanto eles também apresentam muitas vantagens que podem superar suas desvantagens e compensar utilizá-los. Algumas dessas vantagens são as seguintes:

CONTINUE A LER NO MEU NOVO BLOG

http://ailtonamelio.blogosfera.uol.com.br/2016/10/30/vale-a-pena-usar-aplicativos-para-iniciar-relacionamentos-amorosos/

 

Use as ferramentas abaixo para compartilhar esse artigo. Caso você não queira que seus comentários sejam publicados, escreva para o meu e-mail: ailtonamelio@uol.com.br


Por Ailton Amélio às 15h40

24/10/2016

Facilidades e dificuldades para iniciar e desenvolver relacionamentos amorosos

Neste artigo, vamos examinar algumas das principais facilidades e dificuldades para iniciar e desenvolver relacionamentos amorosos.


O ser humano é um animal que se casa

Existem espécies de animais que “casam” (formam parcerias duradouras), como as araras azuis, e espécies de animais que não casam, como as tartarugas (só se relacionam conjugalmente na época da cópula. Depois, cada uma vai para o seu lado). O ser humano é um animal que se casa. Estima-se que 92% das pessoas do nosso planeta se casam pelo menos uma vez na vida. Embora haja diversos tipos de casamento (monogamia ou poligamia, por exemplo), em todas as culturas, e em todas as épocas, sempre existiu alguma forma de casamento.
Como o ser humano é um animal que se casa, ele deve estar preparado para as atividades que levam ao casamento: escolher parceiros, flertar, namorar, casar. Essas atividades, para serem bem sucedidas dependem de vários tipos de motivações e habilidades.


PARA A MAIORIA DAS PESSOAS, É FÁCIL INICIAR E DESENVOLVER RELACIONAMENTOS AMOROSOS

Boas notícias! Muita gente pensa que são necessárias qualidades e habilidades excepcionais para atrair bons parceiros e desenvolver relacionamentos amorosos. Isto não é verdade. De fato, as pessoas com um nível de atratividade médio possuem recursos que são mais do que suficientes para atrair parceiros, provocar apaixonamentos e desenvolver ótimos relacionamentos amorosos.
Vamos examinar agora várias evidências que indicam que o médio é atraente.


O rosto médio é mais atraente do que os rostos que discrepam da média


Na Melanésia, o rosto médio era mais atraente do que os rostos diferentes
Bronislaw Malinowisky, um dos mais famosos antropólogos do século passado, observou que na Melanésia, onde viveu um bom tempo com os nativos, àquelas pessoas que tinham atributos físicos médios (cor média, nariz de tamanho médio, corpo médio, etc.) em relação à população local eram consideradas mais bonitas do que aquelas que tinham atributos mais discrepantes da média da população local. (Isto foi relatado no seu livro “A Vida Sexual dos Selvagens”).


Rostos artificiais com características médias são mais atraentes do que rostos reais que tenham características que discrepam
Alguns estudos verificaram que fotos de rostos artificiais, montadas a partir das medidas médias de várias fotos rostos reais, eram mais belas do que as fotos destes rostos reais. Por exemplo, um desses estudos desenvolveu programas de computador para criar fotografias de rostos artificiais que apresentavam características que eram médias em relação aos rostos reais em que foram baseados. Por exemplo, o computador era programado para medir a largura das testas das fotografias de várias pessoas. Em seguida, esse programa calculava a média destas larguras e montava uma testa que tinha esta média. Fazia algo semelhante com outros componentes faciais, tais como, boca, nariz, olhos, sobrancelhas, etc.. Estes rostos artificiais foram julgados por diversos tipos de pessoas, de diversas culturas, como mais bonitos do que os rostos reais que lhes deram origem.


PESSOAS QUE TEM DIFICULDADE PARA INICIAR E/OU DESENVOLVER RELACIONAMENTOS AMOROSOS

Os parágrafos acima apresentam evidências de que iniciar e desenvolver relacionamentos é relativamente fácil. No entanto, certas pessoas têm muitas dificuldades nesta área. Vamos enumerar aqui alguns dos motivos dessas dificuldades.


Principais dificuldades para iniciar relacionamentos amorosos
Existem diferentes motivos para esse tipo de dificuldade:
– Dificuldades para frequentar locais e atividades onde existem possíveis parceiros adequados.
– Dificuldades para escolher parceiros adequados
– Dificuldades para sentir atração, apaixonar ou amar
– Dificuldades para atrair parceiros que tenham os atributos desejados.
– Dificuldades para flertar
– Dificuldades para seduzir e cativar


Principais dificuldades para desenvolver e manter relacionamentos amorosos
Certas pessoas conseguem atrair os parceiros desejados, mas o relacionamento não dura ou não progride para outros estágios de intimidade e compromisso. Os principais motivos para essas dificuldades são os seguintes.
– Escolha de parceiros inadequados
– Falha na manutenção do grau adequado de satisfação no relacionamento
– Grau inadequado de investimento no relacionamento

CONTINUE A LER NO MEU NOVO BLOG:

http://ailtonamelio.blogosfera.uol.com.br/2016/10/23/facilidades-e-dificuldades-para-iniciar-e-desenvolver-relacionamentos-amorosos/


Por Ailton Amélio às 16h24

Sobre o autor

Ailton
Amélio

é psicólogo
clínico,

doutor em Psicologia e professor do Instituto de Psicologia da USP. Autor dos livros "Relacionamento amoroso" (Publifolha), "Para viver um grande amor" (Editora Gente) e "O mapa do amor" (Editora Gente).

Sobre o blog

Um blog sobre relacionamento amoroso e comunicação interpessoal.

Histórico